Aluno da ETE JOAO LUIZ DO NASCIMENTO (FAETEC) vence etapa regional do Premio Igualdade de Gêneros

O aluno ARTHUR FERREIRA FIGUEIRA foi o vencedor carioca do 7º Prêmio Igualdade de Gênero, promovido pelo CNPq, na categoria “estudantes do Ensino Médio”. Sob a orientação do prof. Rafael Huguenin, o aluno concluínte da ETE João Luis do Nascimento, em Nova Iguaçu, venceu mais de 3300 inscritos na mesma categoria com sua redação Menino usa azul, menina usa rosa.

O Prêmio tem como objetivos estimular e fortalecer a reflexão critica e a pesquisa acerca das desigualdades existentes entre homens e mulheres em nosso país, contemplando suas intercessões com as abordagens de classe social, geração, raça, etnia e sexualidade no campo dos estudos das relações de gênero, mulheres e feminismos; e sensibilizar a sociedade para tais questões.

Mais informações:

http://www.faetec.rj.gov.br/dde/index.php/206-cnpq-etejln

http://www.cnpq.br/saladeimprensa/noticias/2011/1215a.htm

3 Comentários

  1. Bruno Cassaro Mourão

    Eu queria agradecer ao Arthur pela, muito bem elaborada e reflexiva, redação a qual nós da escola e da turma nos orgulhamos muito (desculpa por nos apropriarmos da sua edação Arthur). Uma redação que se torna tão importante pois numa sociedade que vem se tornando cada vez mais ignorante e alienada algo que nos faz refletir tem valor maior do que qualquer capital, até porque não se tem investido muito capital em educação (uma vacina anti-ignorância) por parte do Governo do Estado do Rio de Janeiro.

    Responder
  2. Bruno Cassaro Mourão

    Eu gostaria também agradecer muito mesmo ao professor Rafael e aos profesores do mundo todo que não permitem que nos cegamos diante das verdadeiras realidades opressoras do sistema capitalista, e assumem a ônus revolucionária de manter vivo um sonho de um mundo melhor.

    A esses, minhas sinceras e emocionadas congratulações !

    Responder
  3. Sunamita Vidal

    Queria também deixar meus elogios ao aluno, nao pelo fato de ter ganhado mais sim de ser um ser humano que todos nós deveríamos ser, tendo conciencia das pressões e inércia que as classes, que dizem ser formuladoras de Leis para o país, nos impoem, valeu Rafael, Arthur e Bruno que a corrente da “nao-alienação” possa vigorar e crescer em todos que acreditam em mudanças, para um mundo de igualdades para todos!

    Responder

Deixar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *